Gestão Estratégica

Focos: Envolvimento e Monitoramento


O processo de formulação estratégica tem sido uma preocupação empresarial importante desde a década de ’50. Seus avanços, ao longo dos anos, influenciados por autores diversos como Porter, Hamel e Prahalad, dentre outros, tem possibilitado um enfoque mais equilibrado e adequado sob a forma de Análise Competitiva.

No entanto, tal como em outros campos da Gestão, hoje reconhecemos que tais processos, quando conseguem lidar com o binômio “minds and hearts” (corações e mentes), tendem a dar melhores resultados.

Para tal, a GEO enfatiza nos seus trabalhos de Planejamento a abordagem de Definição da Situação Desejada, em que os objetivos da ação estratégica devem contemplar aspectos racionais, emocionais, éticos e quantitativos. Sob essa ótica, todo exercício de Planejamento Estratégico deve contemplar, seja em nível de empresa, unidade de negócios ou área funcional, quatro elementos: Visão, Missão, Princípios e Indicadores de Mensuração.

Partindo da identificação dos “stakeholders” ou públicos-alvo relevantes, é desenvolvida uma análise das expectativas e graus de satisfação dos mesmos, cujos resultados, quando somados ao produto de análises do tipo SWOT e Matriz de Forças Competitivas, permitem formular Visões de Futuro que minimizam os níveis de tensão organizacional e, em sendo alcançadas, aumentam o grau de satisfação desses público, além de possibilitar a criação de Indicadores Mensuráveis, numa abordagem próxima a proposta pelo método do Balanced Scorecard, por nós denominada Dashboard Corporativo.

A partir da definição complementar da Missão, dos Princípios e ou Valores a serem praticados, obtemos um “mapa” objetivo e motivador para a ação estratégica, passível de ser previamente avaliada quanto a sua viabilidade de consecução através da mensuração dos Graus de Adesão internos que a mesma produz. Quando desdobrada e implantada com apoio das técnicas de Gestão da Mudança e Conhecimento, o processo de aumento da Resultados se torna mais fácil e prático.

Como agregamos Valor


Em ambientes de alta imprevisibilidade e elevada mutação, a capacidade de entender as mudanças ambientais, detectar tendências, analisar restrições, priorizar os “stakeholders” e entender suas expectativas, entender a indústria, criar diferenciar competitivos reais e dotar a organização de um elevado senso de urgência é fundamental para o processo de sobrevivência e crescimento empresarial.

Ao entender o processo de alinhamento estratégico como produto de uma abordagem integrada que contempla as expectativas dos principais públicos-alvo, os aspectos racionais, emocionais e éticos da questão, além de indicadores mensuráveis de desempenho que permitam o contínuo monitoramento e realinhamento, a GEO propõe uma abordagem diferenciada, utilizada por empresas, unidades de negócios e mesmo setores empresariais através de suas associações e órgãos representativos.

A qualidade da ação estratégica implica na condução correta de seus processos: formulação, comunicação e envolvimento, desdobramento, implantação e monitoramento. Fundamental para o sucesso da mesma é o grau de adesão dos diversos níveis e áreas, a partir da compreensão correta da mesma, suas implicações e reflexos empresariais e pessoais.

Com processos e métodos que incluem definição da Visão de Futuro, Missão Empresarial, Valores Corporativos, Forças Competitivas, Indicadores Crítico de Desempenho (KPIs) e outros aspectos fundamentais do processo de Planejamento Estratégico, nosso trabalhos são otimizados por métodos avançados e estruturados de envolvimento e participação. Dentre os segmentos em que atuamos, destacam-se setores como o de mineração, vida e previdência, seguros, siderúrgico, varejo, bancário e financeiro, químico e petroquímico e outros.

Com o apoio de nossos parceiros internacionais associados, dentre os quais se destacam consultores especializados e avançados centros de gestão, procuramos criar e desenvolver soluções avançadas e práticas para o aumento da Resultados.

O resultado desse esforço nos tem propiciado o desenvolvimento de projetos na Ásia, Europa e América Latina, para organizações empresariais de porte.

Sintomas de Disfunção


Normalmente, as Empresas definem bem seus Planos mas não são eficazes no desdobramento do mesmo nos vários níveis da Organização. Com isso, independente da clareza da estratégia ou da mensurabilidade de suas metas, não há o “buy-in”, ou seja, não é criada a adesão e a vontade requeridas para dar sustentação à Estratégia.

Top